21 de julho de 2020

GUINÉ-BISSAU: FUNCIONÁRIOS RELATAM FALTA DE LUVAS E MÁSCARAS NO HOSPITAL RAOUL FOLLEREAU


Os profissionais de saúde do Hospital Raoul Follereau, principal centro de tratamento da tuberculose na Guiné-Bissau, relatam escassez de materiais como luvas, máscaras e álcool para o atendimento dos pacientes suspeitos da tuberculose e exigiram esta segunda-feira ao executivo a melhoria de condições de trabalho.



Além da falta de luvas e máscaras, os funcionários denunciam que a sala do consultório e dos pacientes não têm a ventilação, luz elétrica e o telhado do edifício está degradado, que permite a penetração da agua de chuva nas instalações.

Ouvido pela Rádio Jovem Bissau, o porta-voz dos funcionários do Hospital Raoul Follereau, Delfim Vicente Mendes, revela que o serviço de radiologia do centro hospitalar não funciona há mais de um ano.

Segundo Vicente Mendes, o laboratório da unidade hospitalar não dispõe dos reagentes e neste momento só está realizar bassilocospia aos pacientes.

Fonte: Alison Cabral

Leia Também: 

Reivindicação: FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL RAOUL FOLLEREAU REVELAM QUE ONZE DE SEUS COLEGAS MORRERAM DE INFEÇÃO POR TUBERCULOSE E OUTRAS DOENÇAS.

21/07/2020 / Jornal Odemocrata 

O porta-voz de Grupo de funcionários (médicos, enfermeiros e pessoal menor) do Hospital Raoul Follearau, Delfim Vicente Mendes, revelou que de 2012 a 2019 já morreram 11 funcionários por infeção portuberculose e outras doenças e 25 estão com problemas de saúde e a lutar pela vida, porque “carecemos de condições para nos prevenirmos  de infeções”. O jovem médico fez estas revelações esta segunda-feira, 20 de julho de 2020, durante a reivindicação que fizeram frente ao portão do hospital, em que bloquearam a entrada a pacientes, para exigir melhores condições de trabalho.

O hospital Raoul Follereau é especializado em tratamento de doentes de tuberculose, mas está sob gestão da Organização Não Governamental – Associação Internacional de Saúde e Desenvolvimento (AHEAD) através de um protocolo de acordo assinado em 2012.

Em entrevista ao semanário O Democrata, Delfim Vicente Mendes insurgiu-se contra a passividade da direção do hospital e da organização AHEAD na resolução dos seus problemas, por isso exigiu a criação de melhores condições de trabalho, tendo em conta a especificidade do hospital e o tratamento dos pacientes com problemas respiratórios, de forma a não permitir o contágio dos funcionários.

Delfim Vicente Mendes revelou que os profissionais daquela instituição têm trabalhado sem máscaras protetoras, nem luvas nem desinfetantes, “elementos básicos para garantir a proteção dos funcionários”.

O porta-voz disse que os serviços de raio-X  e de análises não funcionam há um ano. Sustentou que, na sequência da paragem desses sérvios, atualmente os doentes não conseguem fazer algumas análises, nomeadamente: o hemograma (análise de sangue) completo, bioquímica e gota espessa. Apenas está em funcionamento a expetoração (análise de cataro) naquele laboratório. Segundo Delfim Vicente Mendes, todos esses constrangimentos estão relacionados com afalta de reagentes. 

Denunciou igualmente que os doentes são obrigados a comprar mosquiteiros, porque o hospital não os tem.

“Há falta de ventilação, apropriada para a infraestrutura e esta está  degradada. Quando chove há infiltrações na maior parte das salas. Para evitar que a água inunde  as salas colocamos baldes e outros recipientes”, sublinhou  

Frisou que a situação é do conhecimento, tanto da direção daquele centro hospitalar bem como do ministério da Saúde Pública. Eles sabem “as péssimas condições que o hospital de referência para diagnóstico e tratamento de tuberculose tem”.

“Já recebemos muitas promessas, mas nada mudou… Atéum receituário não temos. A direção coloca à disposição de cada técnico cinco máscaras mensalmente. Estamos a exigir apenas que nos criem condições de trabalho, sem asquais não podemos trabalhar”, disse.

O nosso jornal tentou contatar a organização encarregue da gestão do centro hospitalar, mas o responsável disse que estava numa reunião no ministério de Saúde Pública. Contudo, prometeu pronunciar-se sobre a reivindicação dos funcionários através de uma comunicação a imprensa.

Por: Assana Sambú

Foto: A.S

Sem comentários:

Publicar um comentário