sábado, 17 de novembro de 2018

Sonhou que teve relações sexuais com o chefe ou um amigo? Eis o motivo

Será que é normal?


Quer sonhe com o seu chefe, melhor amigo ou com uma celebridade, essas fantasias têm um significado.

Em declarações à revista Cosmopolitan, a terapeuta de casais Hilda Burke, revelou o significado daqueles que são os mais populares sonhos sexuais.

Sexo com uma celebridade

Todos temos uma paixão por alguma celebridade .

“São simpáticos, ou antipáticos, frios, calculistas ou ambiciosos. A maioria de nós tem um instinto natural para as celebridades – verdadeiro ou falso – e tendemos a imaginá-los de uma certa forma”, explica Burke.

“Tal significa que quando sonha com alguém conhecido poderá ser a sua mente que deseja que essas qualidades subjetivas se manifestem no seu parceiro”.

Sexo com o chefe

Este é o tipo de sonho que pode tornar o próximo dia de trabalho no mínimo... embaraçoso

Ainda assim, a especialista garante que sonhar com o chefe é algo extremamente comum e que revela afinal mais sobre a sua carreira do que sofre o seu superior.

“Talvez na vida real esteja a pensar em progredir no trabalho e este sonho pode ser um tipo de conexão com uma parte de si que está disposto a fazer tudo o que for preciso para o conseguir”.

“O seu chefe pode ser um símbolo de que está pronto para uma etapa nova”, explica Burke.

Sexo com um amigo

Poderá nunca ter sentido qualquer tipo de atração ou interesse sexual pela pessoa em questão – até esse momento.

Esse amigo poderá, aliás, não ser de todo o seu tipo, mas tal não o impede de ter sonhos mais picantes com ele.

Burke elucida e alerta: “Por vezes quando temos este tipo de sonho queremos literalmente varrer o pensamento da vista… Ainda assim, é verdade que por vezes as relações de amizade são extremamente profundas. E quando são com o sexo oposto muitas vezes os sentimentos evoluem inadvertidamente para o nível romântico – mesmo quando tentamos reprimir esses desejos. Pense: Será que está apaixonado?”.

NAOM

Presidente confirma atual primeiro-ministro até realização de eleições

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, confirmou hoje que o atual primeiro-ministro, Aristides Gomes, é quem vai organizar eleições legislativas, ainda sem data marcada.


As declarações do Presidente guineense ocorrem numa altura em que se adensam indicações nos círculos políticos de que José Mário Vaz estaria na iminência de derrubar o atual Governo, com a justificação de não ter conseguido organizar eleições.

Em abril, José Mário Vaz marcou a data do escrutínio para 18 de novembro, mas dificuldades admitidas pelo Governo fazem com que as eleições não tenham lugar na data marcada.

Num encontro hoje com os régulos (líderes tradicionais) na localidade de Bula, norte da Guiné-Bissau, e respondendo aos jornalistas, José Mário Vaz garantiu que não tenciona demitir o primeiro-ministro, Aristides Gomes e será este quem vai organizar eleições.

"Não se justifica, de forma alguma, dizer, neste momento, que vamos derrubar este Governo. Não é possível", afirmou o Presidente guineense.

José Mário Vaz exortou apenas Aristides Gomes a reforçar o diálogo com os atores políticos para a busca de consensos sobre o recenseamento eleitoral, que tem sido contestado por vários setores.

"Apenas apelamos para que haja entendimento entre o primeiro-ministro e todos os partidos políticos para termos um recenseamento eleitoral limpo e termos umas eleições livres, justas e transparentes", observou José Mário Vaz.

Quanto à marcação de uma nova data do escrutínio, o Presidente guineense disse não depender apenas de si, mas também das negociações entre o primeiro-ministro e os partidos políticos.

"Não devemos ter nenhuma precipitação. Façamos as coisas com calma para que possamos ter um bom recenseamento para que não voltemos a ter problemas na nossa terra", sublinhou José Mário Vaz.

POR LUSA

Como desenvolver um cemitério?

Por Ibrahima Barry‎ 

VLADIMIR PUTIN:

Quando um africano fica rico,
suas contas bancárias estão na Suíça.
Ele é tratado na França.
Ele investe na Alemanha.
Ele compra em Dubai.
Ele consome chinês.
Ele ora em Roma ou em Meca.
Seus filhos estão estudando na Europa.
Suas viagens acontecem no Canadá EUA França.
Se ele morrer, ele quer ser enterrado na África, em seu país natal. A África é apenas um cemitério para o africano.
Como desenvolver um cemitério?

Uma nação que se contenta com migalhas

Por Secuna Baldé

No novo acordo de pesca, a UE pagará à Guiné-Bissau 15,6 milhões de euros anuais durante cinco anos. Permitindo, assim que navios de Portugal, Espanha, Itália, Grécia e França pesquem em águas guineenses: atum, cefalópodes (polvos, lulas, chocos), camarão e espécies demersais (linguados e garoupas).

No anterior acordo, que expirou em novembro de 2017, a Guiné-Bissau recebia 9,5 milhões de euros anuais.

Pode-se dizer que houve um aumento considerável...será?!

Ora vejamos, 
Ao Senegal a União Europeia paga pelo acordo de pesca 939 mil dólares nas operações de supervisão das águas territoriais senegalesas para combater a pesca ilegal e promover a cooperação científica no setor da pesca. Autorizando apenas 38 navios a operar nas águas territoriais.

À Mauritânia, a União Europeia paga 110 Milhões para que 100 navios europeus tenham a licença que os autorizam a operar nas águas territoriais.

Os guineenses mais atentos devem estar se perguntando:
Quantos barcos terão permissão para pescar nos nossos mares?
Porque pagam menos à Guiné-Bissau e pescam mais espécies?
Se é a própria UE que ajuda na fiscalização do nosso mar territorial, quem garantirá que eles pescarão as espécies e a quantidade acordada? Ou melhor dizendo: Como é possível o fiscal se fiscalizar?
Porque é que um governo designado especificamente para realizar as eleições legislativas se preocupa em assinar acordos dessa magnitude?
Porque não paramos de nos apequenar!?

Juncker abandona conferência ao perceber que tem sapatos de cor diferente

Jean-Claude Juncker participava da cimeira UE-África do Sul quando se deu o pequeno incidente. Presidente da Comissão Europeia tinha um sapato 'de cada nação'.


O presidente da Comissão Europeia abandonou a conferência de imprensa com o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, depois de ser alertado para o facto de ter calçado sapatos de cor diferente.

O vídeo do momento foi esta sexta-feira publicado nas redes sociais e está a fazer furor, sendo lembradas as recentes dificuldades demonstradas por Jean-Claude Juncker, inclusive ao caminhar.

No vídeo, que foi partilhado no Twitter, vê-se Juncker a aproximar-se da beira do pódio, onde uma mulher verifica os seus sapatos. Um deles parece castanho e outro preto.

O presidente da Comissão Europeia depois vira-se e os sapatos parecem da mesma cor, podendo o caso ser apenas um exemplo de ilusão de ótica. Ainda assim, o representante europeu abandonou a sala. E o vídeo tornou-se viral.

Ramaphosa e o presidente da Comissão Europeia reuniram-se esta sexta-feira, em Bruxelas, numa cimeira UE-África do Sul.

Ver imagem no Twitter



sexta-feira, 16 de novembro de 2018

EU signs Sustainable Fishing Partnership Agreement with Guinea Bissau

On 15 November, the EU and Guinea Bissau signed a new Sustainable Fishing Partnership Agreement (SFPA) protocol, a year after the previous protocol expired.

This new fisheries protocol will allow the EU fleet to fish in Guinea Bissau waters for a duration of 5 years. Around 50 EU vessels targeting demersal fisheries (including cephalopods and crustaceans) as well as tuna and small pelagic species will benefit from the agreement. In return, the EU will pay Guinea Bissau a financial contribution of 15.6 Mio € per year, an increase from the 9.2 Mio € foreseen under the previous protocol. Part of the EU-funding will target the development of a sustainable fisheries sector in Guinea Bissau. In addition, EU ship owners will contribute around 4 Mio € per year.

The protocol foresees the transition from the current system based on vessel capacity to a system based on catch limits (TAC), applicable for the last three years of the agreement. The EU believes this is very positive as it reinforces the transparency and sustainability of the fishing activity. The catch limits are 1,500 t for cephalopods, 2,500 t for crustaceans, 11,000 t for demersals and 18,000 t for small pelagics.

The protocol also includes improved monitoring, thanks to the introduction of an Electronic Reporting System (ERS), which will become mandatory from the third year on. The quantities agreed upon are fully in line with scientific advice and management plans adopted by Guinea Bissau.

The new protocol will enter into force when the necessary legislative procedures for its conclusion have been completed.

Fonte: ec.europa.eu

Onde estão os hipócritas e ignorantes que dizem que, o PAIGC actual é PAIGC renovado!?

Por Fabio Adilson 

A hipocresia e ignorância desse povo, são coisas que fizeram da Guiné-Bissau o que é desde sempre.

Adiato Nandigna, mulher sem noção, da ala de DSP, que o governo colocou no ministério das pescas, que nada de ministrar sabe, que só sabe ir balóbas para seus líderes vazios, em troca de altas posições nos governos, junto com seu maldito partido, inimigo do povo guineense, a fera que aterroriza o povo (PAIGC), cumpriram com a vontade dos seus patrões colonialistas.

Este é o motivo de tanta luta pelo poder que o liderzinho vazio, incompetente, engenheiro sem obra, doutor de seis meses (DSP), fez durante 3 anos, onde criou bloqueio no país durante esses anos, só para saciar a vontade dos seus padrinhos colonialistas.

O desconhecimento do valor da soberania do estado, é motivo dessas vergonhosas negociações que esses maus filhos fazem com nossos recursos naturais.

Navios de quatro países vão pescar nos mares da Guiné-Bissau por apenas 15.600.000 Euros anualmente! É sério!?

Quantos toneladas de peixes que serão pescados anualmente!?

Para aqueles que dizem que o PAIGC actual é renovado, me digam à quem esta ministra incompetente apoia, ou seja, é do núcleo do qual líder do PAIGC?

Não é de se admirar, se esta mulher apoia o DSP, pois, ela só apoia pessoas tal como ela.

Aproveitem dançar, porque, o vosso dia chegará! Um dia a Guiné vai mudar, cada um será responsabilizado pelos seus actos.

Nô bai, dianti ki caminho!

Tic-tac. Mulheres são mais férteis nesta idade, apontam especialistas

Nos tempos que correm a população feminina tende a optar pela maternidade cada vez mais tarde.


A maternidade (e paternidade) tardia deve-se a um conjunto de fatores – a uma mudança nas expetativas sociais, carreiras exigentes e a uma menor capacidade financeira.

Muitas pessoas – particularmente as mulheres – sentem a pressão imposta pelo relógio biológico, sobretudo devido à mensagem generalizada de que a fertilidade começa a reduzir a partir de uma certa idade.

Mas quando é de facto essa idade? É real? Há com certeza um momento em que se torna impossível ter filhos?

De acordo com a Sociedade Britânica de Fertilidade, a fertilidade feminina começa a declinar a partir dos 30 e sobretudo quando se atinge a marca dos 35 anos.

Tal deve-se à diminuição da quantidade de óvulos produzidos pelo corpo. Em média, cada mulher nasce com cerca de dois milhões de óvulos. Todavia, com a chegada da puberdade, o começo da ovulação e da menstruação, esses óvulos amadurecem. Em cada ciclo, se não são fertilizados, morrem e são novamente absorvidos pelo organismo, o que significa que o seu número decresce com o passar dos anos.

Por volta da idade dos 37, estima-se que restem 25 mil óvulos. A qualidade dos óvulos pode ser igualmente afetada à medida que a mulher envelhece, o que por sua vez diminui a fertilidade.

Tendo em conta os números, a idade ideal para ter filhos está entre os 21 e os 28 anos, e a probabilidade de engravidar começa a decrescer a partir dos 30.

Ainda assim, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que atualmente nos países desenvolvidos quase metade das mulheres com 30 anos ainda não tenha gerado o primeiro filho.

NAOM

Água nas barragens em Cabo Verde dá para três a quatro meses

O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde afirmou hoje que o nível da água nas barragens cabo-verdianas dá para três a quatro meses e que a reserva das águas dos lençóis freáticos é um terço do "normal".


Gilberto Silva falava aos jornalistas no final da sessão de abertura da VIII Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CNSAN), que decorre na cidade da Praia e tem como objetivo analisar as questões relativas à Agenda Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Segundo o governante, os resultados do presente ano agrícola "não são bons", embora sejam "melhores que o ano passado".

"Houve uma má produção de milho e feijões, principais produtos de agricultura de sequeiro, na maior parte dos concelhos agrícolas", disse o ministro, sublinhando que se registou, contudo, melhorias "em termos de produção de pasto".

Exceto em algumas zonas, como as periféricas em Santiago e nas ilhas de Santo Antão e Boavista, é que não se registaram melhorias a esse nível, apesar de uma melhor produção.

No ano passado quase não choveu em Cabo Verde e a precipitação registada este ano ficou aquém das necessidades, pelo que os lençóis freáticos a níveis inferiores aos desejáveis.

"Ainda estamos muito aquém daquilo que é normal. E normal é cerca de 500 metros cúbicos de água por habitante por ano. Melhorámos muito pouco. Estaremos à volta de um terço do que seria normal", lamentou o ministro.

Ao nível das águas superficiais (barragens), a situação também "não é boa".

A água em algumas das barragens nem sequer ultrapassa a reserva técnica e em uma ou duas em que isso acontece o volume apenas garante um consumo de três a quatro meses, disse.

Por esta razão, o Governo está já a preparar medidas para atenuar a situação.

"O Governo vai continuar com medidas atenuadoras, mas vai apostar muito fortemente nas medidas de resiliência. Felizmente estamos a ultimar o acordo com a Hungria para o financiamento de projetos técnicos relacionados com a dessalinização das águas salubres e a reutilização das águas residuais tratadas de forma segura para a agricultura. Tudo isto vai ajudar a mitigar esses efeitos", acrescentou.

Em relação ao investimento que estas medidas exigem, Gilberto Silva disse que uma boa parte dos projetos vai ser direcionada para este tipo de atividades.

Para tal, deverão ser postos à disposição 600 milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 5,4 milhões de euros) para a "atenuação desses efeitos".

"Refiro-me aos projetos que têm que ver com a melhoria da situação alimentar dos animais, gestão da própria escassez da água e a continuar em alguns concelhos com medidas que promovam o trabalho público para as famílias terem alguma fonte de rendimento", prosseguiu.

Questionado sobre eventuais reflexos do mau ano agrícola, causado pela seca, do ano passado no estado nutricional dos cabo-verdianos, Gilberto Silva disse que as medidas mitigadoras aplicadas em 2017 garantiram um nível de fornecimento de produtos no mercado "em boa linha".

"Uma coisa é certa. Aqui depende-se bastante dos hábitos alimentares, das nossas tradições alimentares e é lá que temos de mudar. Não tem a ver com a disponibilidade dos alimentos nos mercados, mas sobretudo com a escolha e o acesso financeiro das famílias aos produtos", sublinhou.

Segundo dados do inquérito nacional sobre a vulnerabilidade alimentar e nutricional das famílias, divulgado hoje na cidade da Praia, apenas um terço da população cabo-verdiana come frutas e legumes, enquanto 6% das crianças menores de cinco anos têm excesso de peso e obesidade.

Presente na apresentação do estudo, o primeiro-ministro de Cabo Verde afirmou que, não obstante os ganhos, são ainda grandes os desafios, como "um quadro múltiplo de malnutrição, nomeadamente o atraso de crescimento de crianças menores de 5 anos e a existência de uma elevada prevalência da anemia".

A "sobrenutrição, especialmente a pré-obesidade nas crianças e na população adulta" e o "aumento das doenças crónicas não transmissíveis, devido a uma insuficiente prática da atividade física e a uma alimentação desequilibrada, com baixo consumo de frutas e vegetais" são outros desafios indicados pelo chefe do Governo.

NAOM

Medicamento oral contra doença do sono em breve disponível em África

Uma comissão de especialistas da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) recomendou hoje a aprovação do fexinidazol, o primeiro tratamento totalmente oral contra a doença do sono, abrindo caminho para a distribuição em África já em 2019.


Em comunicado, a comissão indica que a empresa farmacêutica Sanofi e a organização sem fins lucrativos DNDi (Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas) vão doar à Organização Mundial de Saúde (OMS) o medicamento, que será disponibilizado gratuitamente para as populações implicadas.

A doença do sono, ou tripanossomíase africana humana (HAT), é transmitida pela picada de uma mosca tsé-tsé infetada e é geralmente fatal se não for tratada.

Esta doença é caracterizada por sintomas neuropsiquiátricos - agressão, psicose, distúrbios do sono.

Cerca de 65 milhões de pessoas estão potencialmente expostas à doença na África Subsaariana, embora o número de casos identificados tenha diminuído significativamente nos últimos anos.

Em 2017, apenas 1.447 casos foram notificados à OMS, face aos 9.870 em 2009.

A OMS tem como objetivo eliminar esta doença até 2020.

O fexinidazol pode ajudar a atingir esse objetivo, na medida em que se trata de um comprimido único, tomado uma vez por dia durante 10 dias, enquanto os tratamentos padrão atuais requerem hospitalização, punções lombares e injeções intravenosas.

"Embora os tratamentos atuais sejam seguros e eficazes, eles devem ser administrados em meios hospitalares e representam uma carga logística considerável para os sistemas de saúde" locais, indicou em comunicado, Victor Kandé, investigador principal de ensaios clínicos com fexinidazol realizados pela DNDi na República Democrática do Congo (RDCongo) e na República Centro-Africana.

Além disso, os afetados pela HAT "estão entre os mais vulneráveis e vivem nas áreas mais remotas do Congo, ou mesmo do mundo", sublinhou Kandé.

O fexinidazol foi descoberto em 2005 pela DNDi, uma organização independente de investigação e desenvolvimento sem fins lucrativos apoiada por vários Estados europeus e doadores privados, como a Fundação Bill e Melinda Gates e os Médicos Sem Fronteiras.

Um acordo de colaboração foi concluído em 2009 entre a DNDi e a Sanofi, deixando à empresa farmacêutica francesa a responsabilidade de tratar do desenvolvimento industrial, do registo regulamentar, da produção e distribuição de fexinidazol.

Por Lusa

FARP - “As novas regras impostas nos quartéis dão mais seguranças às instituições do Estado”, diz CEMGFA

Bissau, 16 Nov 18 (ANG) – O Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), afirmou hoje que as novas regras impostas nos quartéis, permitem que as instituições de Estado funcionem em  segurança.

Biaguê Na Ntan que falava no acto da abertura da cerimónia de festejos dos 54 anos da fundação das FARP, disse que depois da independência as Forças Armadas eram conhecidas como braço armado de um partido, mas que, com o aparecimento do  multipartidarismo em 1994, as FARP tornaram-se apartidárias, passando a não  pertencer à nenhuma formação política.

“Apesar de se tornarem apartidárias, em consequência da queda do artigo 4º, da Constituição da República da Guiné-Bissau, as FARP não conseguiram escapar das influências nefastas políticas partidárias que se fizeram sentir até meado de 2014”,acrescentou.

De acordo com Biaguê Na Ntan, depois da sua nomeação como o chefe de Estado-Maior General das FARP, a sua direcção se empenhpou em trabalhos de base de restruturação das FARP visando a mudança de sua imagem negativa para positiva.

“Criamos escolas nas diferentes unidades militares do país, promovemos formações dos soldados assim como oficiais militares, fizemos acções de sensibilização dos nossos agentes militar para se afastarem dos políticos e permanecerem nos quartéis, reabilitamos quarteis de Amura assim como outros do país, criamos condições com os nossos recursos próprios para que os militares passam  cultivar  produtos alimentícios. Vamos manter os contactos com  os parceiros para trazer mais benefícios para as nossas FARP”, disse Biaguê Na Ntan.

Em nome das mulheres das FARP, Maria Na Ncanha destacou  que durante a luta armada de libertação nacional, as mulheres estiveram ombro a ombro com os homens.

“Muitas mulheres estiveram na linha de frente assistindo os feridos de guerra, e aquelas que ficavam nas tabancas também desempenhavam um importante papel porque não poupavam as suas vidas e andavam quase por toda a parte para levar comidas aos combatentes”, referiu a porta-voz das mulheres combatentes.

 Maria Na Ncanha lamentou que  depois da luta de libertação nacional, os sucessivos governos desviaram as suas atenções  sobre elas, esquecendo que ontem as mulheres jogaram um papel muito importante para a libertar a Guiné-Bissau.

“Com tudo isso, pela primeira vez, depois da nossa entrada à cidade de Bissau, fomos recebidos pelo actual Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), Biaguê Nan Tan, e o gesto marcou-nos tanto e sentimos que  existe alguém que reconheceu o nosso respeito e valor como militar e combatente da liberdade da pátria”, sustentou Maria Na Ncanha. 

No final de tudo, as FARP ofereceram 13 sacos de batatas para o Hospital Nacional Simão Mendes  e 12 para o Hospital Militar, frutos da colheita do campo de lavoura militar na zona leste do país.

ANG/LLA/ÂC

Eleições só depois de recenseados todos os guineenses com mais de 18 anos – PR

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, disse hoje que só irá marcar uma nova data para a realização de eleições legislativas quando todos os guineenses com mais de 18 anos, dentro e fora do país, estiverem recenseados.



José Mário Vaz fez este anúncio em curtas declarações aos jornalistas no aeroporto internacional de Bissau quando chegava ao país após uma visita de 24 horas à Nigéria, onde se avistou com o líder daquele país, Muhammadu Buhari, que é também presidente em exercício da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO).   Assistir Vídeo Aqui

“É preciso que todos os guineenses com 18 anos estejam recenseados. Depois vamos para as eleições, ganha quem ganhar será um partido guineense”, defendeu José Mário Vaz.

O Presidente guineense enalteceu o trabalho que tem sido desenvolvido pelo Governo do primeiro-ministro, Aristides Gomes, mas pediu que seja reforçado e que haja mais colaboração entre os partidos políticos com o executivo para que seja feito “um bom recenseamento”, que depois possa conduzir boas eleições, disse.

Pelas informações que recebeu de Aristides Gomes sobre o número de cidadãos já inscritos para votar, o Presidente guineense disse ser impossível pensar que as eleições poderão ter lugar no próximo domingo, como estava marcado, e muito menos que será possível concluir o recenseamento dos potenciais eleitores no dia 20.

“Mesmo que o país tivesse mil ‘kits’ seria impossível fazer eleições no dia 18”, de novembro, observou José Mário Vaz, referindo-se aos equipamentos eletrónicos de registo biométrico dos cidadãos eleitores, cuja insuficiência está na base dos atrasos, conforme o Governo.

O Presidente guineense frisou que tendo um bom recenseamento o país fará boas eleições e que é a partir desse pressuposto que pretende atuar para marcar a data do escrutínio.

“Nunca houve problema no recenseamento e nem nas eleições, não é desta vez que vamos ter problemas”, notou José Mário Vaz.

O líder guineense destacou também os apoios que a Nigéria tem dado ao processo eleitoral em curso, frisando que aquele país é quem tem suportado praticamente todas as necessidades, tendo fornecido já 205 ‘kits’ do recenseamento, viaturas e ainda prometeu doar 500 mil dólares americanos (cerca de 443 mil euros), disse.

Na conversa com o Presidente nigeriano, José Mário Vaz disse terem chegado a conclusão de que é preciso “um esforço dos guineenses, para que tudo corra bem”, reforçou.

interlusofona.info

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Acordo de pesca com UE é uma infâmia !

O governo nas vésperas de findar o prolongado (inconstitucionalmente) legislatura, desata a assinar de forma perniciosa acordo de pesca com UE, na sorrateira à três dias do fim do mesmo, por uma cifra recusado por governo de Umaro Sissoko numa maratona de negociações.

O Estamos a Trabalhar, como esteve na linha de frente contra acordo de exploração conjunta fará o mesmo diante dessa ato digno de lesa pátria tomado por um governo que tem como objetivo organizar eleição, mas que só sabe nomear amigos, um governo que preteriu Kits por Carros de Top de Gama, um governo que não sabe negociar com professores, mas entende muito bem negociar o nosso mar ..., por estas e outras vamos avançar com seguintes :

1. Escrever uma carta ao presidente da república José Mário Vaz, exortando para não aceitar complacência com governo nesse ato infâmia.

2. Iremos avançar com pedido de anulação do mesmo, nos fóruns próprios

Estamos a Trabalhar

Carlos Sambu

José Mário Vaz - Em Abuja, Nigéria para uma visita de trabalho com o meu homólogo Muhammadu BUHARI.






 





José Mário Vaz - Presidente da Republica da Guiné-Bissau

GOVERNO GUINEENSE RUBRICA ACORDO DE PESCA DE QUINZE MILHÕES DE EUROS COM UNIÃO EUROPEIA

Recorde-se que o governo liderado por General Umaro Sissoco Embaló exigia durante a negociação, um valor equivalente ao concedido ao governo mauritaniano [59,125 milhões de euros] no âmbito do acordo de compensação da pesca, segundo o então ministro das pescas, Orlando Mendes.


Quinze milhões e seiscentos mil Euros, que correspondem a mais de dez bilhões de Francos CFA, é o valor do acordo entre o governo guineense, através do ministério das Pescas, e a delegação técnica da negociação da União Europeia. O protocolo do acordo de compensação rubricado  tem a duração de cinco anos (2019 a 2024) e vai permitir um aumento de quase 90 por cento sobre o valor que o país recebia nos termos do acordo de 2014 que expirou em novembro de 2017, que era de 9,2 milhões Euros.

O ato da assinatura decorreu numa das unidades hoteleiras da capital Bissau, esta quinta-feira, 15 de novembro e foi testemunhado pelo Chefe do governo, Aristides Gomes e por alguns membros do governo, bem como de altos funcionários das pescas. Segundo informações apuradas, dos 15.600.000.00Euros que a União Europeia vai pagar anualmente ao governo guineense, 11,6 milhões irão  para o apoio orçamental e os restantes quatro milhões destinam-se a apoiar o desenvolvimento sustentável do setor das pescas

Após a assinatura , a ministra das Pescas, Maria Adiatu Nandigna, disse na sua comunicação que o acordo assinado entre as partes é mais um passo importante na edificação das suas relações, e que a União Europeia continua a ser um dos parceiros importantes e credíveis da Guiné-Bissau.

“Para além das contribuições tradicionais para o Orçamento Geral do Estado e o Setor das pescas que foram melhoradas consideravelmente, irá contribuir também para a melhoria da segurança alimentar no nosso país, criação de condições para acreditação do Laboratório Nacional de Controlo de Qualidade do Pescado, melhoria do controlo das capturas através da introdução do Sistema de Fornecimento Electrónico de dados e apoio ao Governo na criação de condições propícias para a infraestruturação do sector e consequentemente a maximização da contribuição do setor das pescas para a economia nacional”, contou

Para a chefe da delegação técnica negocial da União Europeia, Emmanuel Berck, o acordo é benéfico para as duas partes e é também equilibrado. Contudo, reconheceu que as seis rondas de negociações eram necessárias para alcançar os resultados agora obtidos.

“Agradeço a Guiné-Bissau que fez da União Europeia um parceiro privilegiado, como também pela sua abertura aos navios da União Europeia que assim podem ter acesso ao mar guineense. Nós pescamos num quadro transparente e regulamentado”, observou.

Recorde-se que o governo liderado por General Umaro Sissoco Embaló exigia durante a negociação, um valor equivalente ao concedido ao governo mauritaniano [59,125 milhões de euros] no âmbito do acordo de compensação da pesca, segundo o então ministro das pescas, Orlando Mendes. 

Por: Assana Sambú

Foto: AS

OdemocrataGB

A Nigéria vai doar 500 mil dólares norte-americanos para a conclusão do processo eleitoral

O Presidente da República, José Mário Vaz, defendeu na tarde desta quinta-feira, 15 de novembro 2018, a organização de “um bom recenseamento eleitoral” que permita “ter umas boas eleições”. Vaz sustenta que nunca houve problemas na Guiné-Bissau resultante do processo de recenseamento eleitoral e do escrutínio.

O Chefe de Estado guineense falava aos jornalistas no aeroporto internacional Osvaldo Vieira, no seu regresso de Abuja, capital da República Federal da Nigéria, onde se encontrava para em visita de 24 horas reunir com o seu homólogo nigeriano, Mhoamed Buhari, que igualmente é presidente em exercício da Conferência de Chefes de Estados e do Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

“A Nigéria vai doar 500 mil dólares norte-americanos para a conclusão do processo eleitoral. A Nigéria forneceu viaturas e muitas outras coisas para o processo do recenseamento na Guiné-Bissau”, contou. Acrescentou que, na reunião mantida com o seu homologo nigeriano, concluiram que é preciso um esforço da parte dos próprios guineenses para que tudo corra bem.

“Primeiro, devemos organizar um bom recenseamento para podermos ter umas boas eleições. Nunca houve problemas na Guiné-Bissau nem em relação ao recenseamento, nem em relação ao processo eleitoral! Não é desta que vamos ter problemas. Depois de termos um bom recenseamento, não haverá problemas em marcarmos a data para as próximas eleições”, espelhou.

O Presidente da República mostrou-se optimista em relação a uma possível solução muito rapidamente, em que todos os partidos estarão em sintonia com o Governo que é o responsável pela organização das eleições, porque “em relação ao dia 18, é do conhecimento de todos que já se tornou impossível”.

Para José Mário Vaz, mesmo que o país tivesse agora mil kits, não seria possível concluir o recenseamento a tempo  de realizar as eleições a 18  de novembro. No dizer de chefe de Estado, também parece difícil concluir o recenseamento no dia 20 de novembro.

“O Primeiro-ministro disse-me há bocado que já vai na ordem dos 65%. Estamos no bom caminho. É preciso, de fato, olhar para este recenseamento, porque não queremos problemas na Guiné-Bissau. Não pode haver um único guineense com 18 anos de idade, a dizer que foi à mesa de recenseamento e não conseguiu recensear-se’’, observou para de seguida encorajar o chefe do governo e os partidos para se unirem à volta do processo de recenseamento.

Por: Assana Sambú
Foto: A.S 
OdemocrataGB     

O leitor perguntou: Porque tenho mais vontade de urinar quando está frio?

Sim, é normal e não há nada de errado consigo - a ciência explica.


Os especialistas creem que a maior vontade em urinar quando estamos expostos ao tempo frio deve-se ao fenómeno apelidado de ‘diurese fria’.

O corpo humano é um organismo inteligente e quando é exposto ao frio adapta-se de acordo com essa realidade.

Sobretudo no outono e no inverno, o corpo tenta manter a sua temperatura interna através do processo de vasoconstrição.

Geralmente quando o sangue corre pelas veias próximas à pele, a temperatura externa arrefece o sangue, que por sua vez se move através do corpo e reduz assim a temperatura interna.

De modo a evitar este processo, o corpo constringe os vasos sanguíneos e capilares nas extremidades dos dedos das mãos e dos pés, das orelhas e do nariz, permitindo que flua menos sangue por essas áreas.

Porém, tal resulta em menos espaço, apesar de continuarmos a ter a mesma quantidade de sangue no organismo e como tal a pressão arterial aumenta.

Ora, é como se de forma a evitar a elevação extrema da pressão arterial e nos manter quentes, o corpo espreme a pequena quantidade de água presente no sangue de modo a equilibrar a dita pressão, segundo o site ScienceABC.

À medida que a pressão arterial aumenta, uma hormona anti-diurética diminui, sinalizando os rins para que extraiam essa água da corrente sanguínea e a armazenem na bexiga, provocando a tal vontade súbita e insistente em urinar.

Já que ter a bexiga cheia também leva à perda de calor, o corpo humano tenta eliminar esse calor extra o mais rápido possível.

Por isso já sabe, da próxima vez que for beber um copo não se sente na esplanada, pelo menos enquanto o verão não volta...

noticiasaominuto

Brasil regista mais de 38 mil assassínios de janeiro a setembro

O Brasil registou 38.436 assassínios de janeiro a setembro, segundo um levantamento do portal de notícias G1, do Centro de estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.


Apenas no mês de setembro foram registadas 3.721 mortes violentas no país.

Os dados levantados, porém, não contabilizam crimes ocorridos nos estados brasileiros do Maranhão e do Paraná, que não divulgam as informações referentes ao mês de setembro.

O estudo indica que em setembro foram cometidos 1,8 assassínios por cada 100 mil habitantes no Brasil.

O estado da Baía registou o maior número deste tipo de crime, com 401 ocorrências, 2,6 assassínios por cada 100 mil habitantes.

No entanto, em relação às mortes violentas por cada 100 mil habitantes, o estado com número mais elevado é Roraima, com 40 registos, correspondente a 7,5 assassínios.

No Rio de Janeiro, que tem uma intervenção federal na área de segurança pública desde o mês de fevereiro, ocorreram 396 assassínios em setembro, o que corresponde a 2,4 mortes por cada 100 mil habitantes.

O levantamento contabiliza assassínios, roubos seguidos de morte e lesões corporais seguidas de morte, que, juntos, compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

NAOM

Pesca Artesanal - Director Geral preocupado com a fuga de pagamento de licenças

Bissau, 15 Nov 18 (ANG) – O Director Geral da Pesca Artesanal, Cipriano Fernandes Sá, denunciou hoje o conluio de alguns cidadãos nacionais na fuga de pagamento das licenças de pesca artesanal por parte dos pescadores estrangeiros. 

Em entrevista exclusiva à ANG, Cipriano Fernandes Sá, disse que nas regiões do país, os estrangeiros estão a subordinar os nacionais para facilitar-lhes os processos de pagamento de licença num valor menor estipulado pela lei.

“Conseguimos detectar muitos cidadãos munidos de licenças de mais de dez pirogas de pesca artesanal de grande porte, mas que na realidade as referidas embarcações pertencem aos pescadores estrangeiros”, explicou.

 Exortou aos cidadãos para absterem desta prática, de colaborar com os estrangeiros na fuga de pagamentos da licença de pesca como está prevista na lei em  troca de um gorjeta que prejudica o tesouro público e consequentemente a economia do país.

De acordo com este responsável, os guineenses não dão atenção ao sector da pesca artesanal porque existem poucos profissionais no sector, acrescentando que a maioria exerce essa actividade por  subsistência ao contrário  das outras áreas, frisando que este facto provocou a predominância dos estrangeiros no domínio pesqueiro.

Cipriano Fernandes Sá  realçou a importância da reactivação do Projeto de Desenvolvimento de Pesca Artesanal em Bolama (PRODEPA), que segundo ele, irá ajudar na qualificação dos pescadores nacionais e atrair os jovens para este sector e abrir mais oportunidades do emprego e abastecimento do mercado interno com produtos pesqueiros.

"Com poucos números dos cidadãos na actividade pesqueira e com a falta de frota nacional de pesca industrial, os consumidores vão continuar a sofrer o défice deste produto no mercado" lamentou.

Questionado sobre a política de preservação dos recursos pesqueiros, o Diretor Geral de Pesca Arsenal, disse que a antiga direcção continua com o mesmo plano de acção tange com a preservação iniciada com o primeiro governo dessa legislatura em 2015 em colaboração com o Instituto de Biodiversidade e das Áreas Protegidas(IBAP) e União Internacional de Conservação da Natureza(UICN).

ANG⁄CP⁄ÂC

Guiné-Bissau is once again in a state of DILEMMA, waiting for the President of the REPUBLIC, JOSÉ MÁRIO VAZ to break his SILENCE!



Crises apprising

PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ E CABO VERDE "PAIGC" won the 2014 legislative election with clear majority of 57 deputies out of 102.

Prelude, was the internal crises within the political party after the 2014 legislative election, and then, the dissolution of Domingos Simões Pereira government in 2015 due to lack of synchronization with the PRESIDENT; thereafter, the expulsion of 15 deputies because they refused to vote in favor of the party’s program. Thereby reducing PAIGC to a “LAME DUCK” with only 42 deputies.  

After the political party’s failure to approved their program at the parliament with 42 deputies only, “PAIGC” solicited for “TEAM UP” with the second largest political party, PARTIDO DA RENOVAÇÃO SOCIAL “PRS” with 41 deputies at the parliament.

“THE LAST STROKE THAT BREAK THE CARMEL’S BACK” was when, "PAIGC" refused the demand of Partido da Renovação Social for 10 executive position in the future government as condition of pact with the political party

PAIGC went on to replace the expel 15 deputies with 15 members from the political party, sworn in the 15 replacement as deputies and made them to vote in favor of their program.

The act of replacement of deputies was considered unconstitutional by the supreme court which led to the failure of the government of Carlos Correia. This was the beginning of real dilemma that lasted for years in Guiné-Bissau.

Subsequent governments couldn’t survive the wave of the crises; which steered us to Guinea Conakry and Lomé, Togo’s accord. 

The international community “P5” and ECOWAS jointly reached an agreement with the two biggest party (PAIGC & PRS) to form a PACT, to extend the mandate of DEPUTIES which expires on April 2018, and scheduled LEGISLATIVE ELECTION on 18 November, 2018.

Aristides Gomes was picked as the Prime Minister, whose major obligation was to form a government to organize the 18 November, 2018 legislative election.

With so many irregularities in the registration process, largely due to lack of fund to bring in voters’ registration kits donated by Nigeria according to the government and lack of trained agents for the registration process, the electoral commission declared only 25% of voters registered at the time limit of 20 October, 2018.

If the legislative election scheduled on 18 Nov 2018 is not possible with only 25% of voters registered within the registration deadline; it signifies that the government of Aristides Gomes has failed in his mission to organize election on the agreed date; which brought Guiné-Bissau to another state of dilemma. 

The president, José Mário Vaz realized the adversely political game been played recently by the international community with some political opponents in the country; and decided to choose a WEAPON for this occasion “SILENCE”

Some politicians have tried every form of provocation to draw his reaction, example is the extension of voters’ registration deadline from 20 Oct 2018 to 20 November 2018, ahead of the election date of 18 November 2018, without consultation.

Today, the individuals that thought were in control of the situation has found themselves again at the wipe-end with José Mário Vaz firmly holding the handle of the wipe.

He had meetings with various political party and members of his security council to find a way to resolve this present situation except with the absence of PAIGC, and others that failed to honor his invitation the second time.

Yesterday, Wednesday, November 14, 2018, he travelled to Nigeria to meet with president Buhari; leaving everyone bemused with his continued silence.


Nevertheless, one thing is sure; legislative election scheduled for 18 November 2018 is MISSION IMPOSSIBLE.

faladepapagaio