14 de julho de 2020

Banco Mundial vai ajudar Guiné-Bissau a diminuir dívida pública para assinar novo programa com o FMI — Governo


14.07.2020 às 13h09 LUSA

O ministro das Finanças da Guiné-Bissau, João Fadiá, disse hoje, em entrevista à Lusa, que o Banco Mundial vai ajudar o país a diminuir a dívida pública para assinar um novo programa de assistência com o Fundo Monetário Internacional

Segundo João Fadiá, o endividamento da Guiné-Bissau agravou-se nos últimos anos, nomeadamente com as “dívidas contraídas junto das instituições da União Económica Monetária da África Ocidental”.

“Para ultrapassar este obstáculo, o país necessita de restruturar a sua carteira de dívida, que hoje ronda cerca de 69% do PIB (Produto Interno Bruto), para a remeter para 35% do PIB, estipulado pelo Banco Mundial como nível sustentável para a Guiné-Bissau”, salientou o responsável pelas finanças.

O Governo guineense já iniciou os contactos com o Banco Mundial para ajudar a solucionar o problema, acrescentou.

“Estamos a negociar um programa com o FMI para poder beneficiar de financiamento no âmbito de Facilidade de Crédito Rápido (FCR), por um lado, e por outro lado, também contamos com a assistência do Banco Mundial para a restruturação da carteira da nossa dívida pública por forma a transformá-la em dívidas concessionais nos termos da classificação das Instituições de Bretton Woods”, explicou João Fadiá.

O ministro salientou que ainda não foi possível concluir o dossiê técnico com o FMI exatamente porque a Guiné-Bissau precisa de demonstrar que o seu nível de endividamento é sustentável para garantir o reembolso do crédito de que irá beneficiar.

João Fadiá salientou também que o Governo pretende ter o programa com o FMI para dar “garantias aos demais parceiros” que ajudam os países com economias menos fortes de que a gestão das contas públicas obedece às boas práticas internacionais.

“O Governo, dentro da sua política de transparência na gestão das finanças elegeu, como uma das suas prioridades, negociar e assinar um novo programa com o FMI por ele monitorizado”, disse.

MSE // VM

Sem comentários:

Publicar um comentário